Saiba quais os países que mais exportam jogadores para a NBA

Na abertura da atual temporada, quatro jogadores brasileiros representam o País na liga

Liga norte-americana conta com quatro atletas brasileiro em atividade. (Divulgação/Istock)

Dono de um sobrenome difícil de soletrar, mas de um basquete de encher os olhos, o jogador mais valioso da última temporada da NBA, torneio dos Estados Unidos, é um estrangeiro. O desempenho do grego Giannis Antetokounmpo fez seu sobrenome se tornar popular na conquista do prêmio de MVP da liga. Dono de um atleticismo extraordinário, Giannis liderou o Milwaukee Bucks ao primeiro lugar da Conferência Leste e levou o mais importante prêmio individual que não era dado há 11 temporadas a um estrangeiro. 

Desde a temporada 2006/07, com a conquista de MVP do alemão Dirk Nowitzki, um jogador de fora dos Estados Unidos não vencia o prêmio. Porém, isso não acontece por falta de estrangeiros na liga de basquete do mundo. Na verdade, a atual temporada é a terceira consecutiva em que o número de jogadores nascidos fora do país passa dos 100. 

OS MAIORES EXPORTADORES

O recorde de estrangeiros da NBA também é recente. No início da temporada 2016/17, 113 jogadores internacionais estavam registrados e, na temporada seguinte, tivemos o recorde de países representados (42). Já no atual ano, o número é de 108 estrangeiros na liga representando 38 nações. 

O grande exportador de talentos para a principal liga de basquete do mundo fica na própria América do Norte: o Canadá. O país vizinho já teve um vencedor de MVP, o armador Steve Nash, que conquistou o prêmio em duas temporadas consecutivas, e agora conta com 16 jogadores no torneio.  Entre os principais canadenses estão Jamal Murray (armador titular do Nuggets), Tristan Thompson (pivô campeão com os Cavaliers em 2016), Andrew Wiggins (primeira escolha geral do Draft de 2014 e atual ala dos Timberwolves), e R.J. Barrett (calouro selecionado pelos Knicks na terceira escolha geral do Draft de 2019).

Com nove representantes, o segundo país com maior número de jogadores na NBA é a Austrália. Ben Simmons é o principal nome australiano na liga. O jogador dos 76ers foi selecionado na primeira escolha geral do Draft de 2016, ficou de fora da primeira temporada, mas jogou na segunda e ganhou o prêmio de calouro do ano. Outro representante australiano é Kyrie Irving. Sim, se você acompanha os jogos da seleção dos EUA de basquete, já viu o armador vestindo a camisa norte-americano. O jogador dos Nets nasceu em Melbourne, na Austrália, porém fez praticamente toda sua trajetória no basquete, desde o colegial, nos Estados Unidos. 

O Brasil, por sua vez, conta com quatro representantes na liga, e ambos já têm experiência de NBA na bagagem: são eles Bruno Caboclo dos Grizzlies, Cristiano Felício dos Bulls, Raul Neto dos 76ers e Nenê dos Rockets. 

OS ANTETOKOUNMPOS

Como dissemos, o sobrenome Antetokounmpo se tornou conhecido no mundo do basquete por conta das grandes atuações de Giannis. Porém, ele não é o único a carregar esse sobrenome na liga. Na verdade, outros dois Antetokounmpo estão na NBA, inclusive, um joga junto com o atual MVP. 

Sim, todos são irmãos. Thanasis é o mais velho (27) e veio do Panathinaikos-GRE para os Bucks nessa temporada. Já o mais novo, Kostas (21), está em contrato two-way com os Lakers. Assim, Kostas está listado em um levantamento a parte, específico de jogadores sob esse tipo de contrato, em que podem atuar tanto na NBA, como na liga menor, a G-League, portanto não fazem parte dos 15 jogadores do elenco da franquia. 

ESTRANGEIROS ALL-STARS

Na abertura da atual temporada, dos jogadores que fizeram parte do elenco das franquias, 11 estrangeiros já foram All-Stars, ou seja, selecionados para o Jogo das Estrelas da NBA. Giannis Antetokounmpo (Milwaukee Bucks; Grécia), Goran Dragić (Miami Heat; Eslovênia), Embiid, Al Horford (76ers; República Dominicana), Marc Gasol, Pau Gasol (Portland Trail Blazers; Espanha), Kyrie Irving (Brooklyn Nets; Austrália), Nikola Jokić (Denver Nuggets; Sérvia), Kristaps Porzingis (Mavericks; Letônia), Ben Simmons (76ers; Austrália) e Nikola Vučević (Orlando Magic; Montenegro).

Confira a lista completa do número de representantes de cada país na atual temporada da NBA:

Canadá 16
Austrália 9
França8
Croácia7
Sérvia6
Alemanha5
Espanha5
Brasil 4
Itália4
Turquia4
Letônia3
Eslovênia 3
Bahamas2
Bósnia2
Camarões2
Rep. Democrático do Congo2
Grécia 2
Lituânia2
Sudão do Sul2
Suíça2
Ucrânia2
Angola 1
Áustria1
República Tcheca 1
Rep. Dominicana1
Egito1
Finlândia1
Georgia1
Haiti1
Japão1
Mali1
Montenegro1
Nova Zelândia1
Nigéria1
Porto Rico1
Congo1
Senegal1
Inglaterra1
Carrinho
SIMPLESCOMBINADA

Como apostar no Betsul?

Apostar no Betsul é muito simples. E o primeiro passo é criar uma conta. Por questões legais, você precisa ter mais de 18 anos para apostar no Betsul. Depois, é só realizar seu login no site, fazer seu primeiro depósito e escolher a sua modalidade de preferência para apostar!

0000000

O que é o Jogo do Bem?

O Jogo do Bem é uma iniciativa pioneira do Betsul. Com ele, suas apostas esportivas também contribuem para uma sociedade melhor. A cada aposta realizada, parte do valor é destinado a uma causa ou uma instituição social. E tudo isso sem custos adicionais ao jogador.