De olho no clássico, relembre jogadores que já defenderam Arsenal e Chelsea

Rivais estarão frente a frente neste domingo (29), às 11h (de Brasília), pela 20ª rodada da Premier League

Arsenal Chelsea
Nove jogadores viraram a casaca recentemente na história do clássico (iStock)

O Boxing Day reservou um grande jogo para fechar o ano de 2019 na Inglaterra. Neste domingo (29), às 11h (pelo horário de Brasília), o Emirates Stadium, em Londres, será o palco para o clássico entre Arsenal e Chelsea, rivais que não têm muito o que comemorar na primeira metade do Campeonato Inglês. Será o 199º encontro entre os dois clubes, uma história que começou lá atrás, em 1907, quando o Arsenal ainda nem tinha esse nome.

Nestes 112 anos, muitos jogadores ficaram marcados por gols, lances plásticos, títulos e por terem trocado de lado em suas carreiras. Nos últimos anos, foram nove famosos atletas que estiverem de ambos os lados do clássico. Antes das equipes se enfrentarem mais uma vez, relembre quem foram eles e como foram as passagens pelos rivais de Londres.

Emmanuel Petit

Depois de boas temporadas no Monaco, o Arsenal contratou Arsène Wenger para comandar a equipe e o francês pediu a contratação de Emmanuel Petit, com quem tinha tido uma parceria vitoriosa na França. O volante chegou aos Gunners em 1997/98 para mais uma vez ser campeão. Além de ter vencido o Campeonato Inglês e a Copa da Inglaterra com o time de Londres, o jogador também foi campeão da Copa do Mundo de 1998.

No entanto, foi esse o único grande ano do volante no Arsenal. Nas duas seguintes, alternou bastante entre bons e maus momentos e viu sua situação ficar pior depois que defendeu o compatriota Vieira de insultos racistas. Sem clima, deixou a Inglaterra para acertar com o Barcelona.

A sua vida não melhorou muito na Catalunha. Com dificuldades para se firmar e atuar bem, Petit não durou mais do que um ano no Barcelona, ainda mais depois de ter brigado com o então treinador Serra Ferrer.

Na temporada seguinte, em 2001/02, voltou à Inglaterra para defender o Chelsea e demorou a encontrar a boa forma técnica. Somente quando Frank Lampard chegou, no ano seguinte, o francês voltou a encantar com o seu futebol, mas lesionou-se no meio de 2004 e nunca mais voltou a defender os Blues, se aposentando meses depois ao descobrir que um problema no joelho poderia impedi-lo de voltar a jogar.

Ashley Cole + Gallas

Uma das trocas mais polêmicas na história de Arsenal e Chelsea envolveu o lateral-esquerdo Ashley Cole. Revelado pelos Gunners, o inglês passou quase 10 anos vestindo as cores do clube vermelho, até que decidiu publicamente mostrar a sua insatisfação. 

Cole falou mal de todo mundo, até do ídolo Thierry Henry e forçou como pôde uma saída. Ao final da Copa do Mundo de 2006, conseguiu com que o Chelsea demonstrasse interesse em seu futebol. Enquanto ele foi para o Stamford Bridge, o zagueiro Gallas, sem espaço nenhum nos Blues, mudou-se para o Arsenal.

O francês teve uma carreira bem sólida no Arsenal, mas não conseguiu títulos relevantes. Bem diferente de Ashley Cole, acusado até hoje de traição pelo torcedor, que no Chelsea conquistou a Liga dos Campeões da Europa em 2011/12.

Nicolas Anelka

Wenger ficou famoso por ser um técnico que adora fazer contratação de jovens promessas francesas. Uma das primeiras que realizou ao chegar ao Arsenal foi a de Nicolas Anelka, centroavante revelado pelo PSG. Com somente 17 anos, o atacante mostrou que o treinador tinha razão, anotando duas ótimas temporadas na Inglaterra.

Anelka chamou a atenção do Real Madrid e foi contratado por 35 milhões de euros (o Arsenal havia pago 750 mil euros apenas), onde também brilhou. Depois de rodar por vários clubes, o francês retornou à Londres para defender as cores do Chelsea, em 2008/09. Reserva de Drogba na primeira temporada, ele ficou marcado por ter perdido o último pênalti da decisão da Liga dos Campeões contra o Manchester United.

Mesmo assim, permaneceu no clube e deu a volta por cima, sendo uma peça muito importante nos Blues até o fim da temporada 2010/11, tanto que terminou uma delas como artilheiro da Premier League.

Lassana Diarra

Lassana Diarra não é um dos jogadores que mais são lembrados por trocar de rival em Londres. Contratado pelo Chelsea quando atuava pelo Le Havre, o volante ficou duas temporadas nos Blues e foi somente um jogador para compor elenco. Em 2007/08, mudou-se para o Arsenal onde teve passagem ainda menos irrelevante, saindo ao final da temporada para o Portsmouth.

Yossi Benayoun

Depois de boas temporadas no Liverpool, o israelense Yossi Benayoun foi para o Chelsea. Não se firmou no primeiro ano e foi emprestado ao Arsenal, onde também teve uma passagem apagada. Retornou aos Blues, foi liberado para defender o West Ham por empréstimo e vendido logo em seguida ao West Ham.

Cesc Fàbregas

Cesc Fàbregas talvez seja aquele que mais machucou o torcedor do Arsenal nesta história toda de trocas com o Chelsea. Afinal, por muitos anos o espanhol foi ídolo, capitão e líder do time de Arsène Wenger. O meia chegou aos Gunners em 2003, com somente 16 anos. Por isso, demorou a se firmar como titular da equipe.

E não é para menos, já que Wenger contava com Gilberto Silva, Vieira e Edu para a mesma posição que Fàbregas. No entanto, na temporada 2004/05 todos os três se machucaram e o treinador se viu obrigado a utilizar o jovem garoto espanhol. Ele encantou o técnico e a torcida e em 2005/06 se firmou como titular.

Apesar de ter ganhado somente a Copa da Inglaterra e a Supercopa da Inglaterra, quando ainda não era sequer titular, Fàbregas ganhou status de ídolo e ficou no Arsenal até 2011, quando voltou ao Barcelona, time que o criou nas categorias de base.

Em 2014/15, deixou a Espanha para acertar com o Chelsea, naquela que seria uma das transferências mais dolorosas ao torcedor do Arsenal. E se tornou ainda pior pelo desempenho de Fàbregas no grande rival. Já consolidado como uma estrela, o espanhol jogou muito, foi bicampeão da Premier League, campeão da Copa da Liga Inglesa e da Copa da Inglaterra e quebrou recordes, como o de maior número de assistências na história do Campeonato Inglês.

Olivier Giroud

Mais um dos que trocou o Arsenal pelo Chelsea, Giroud até que pode ter deixado uma saudades no torcedor do Emirates Stadium, mas nada que gerasse muito trauma. Contratado após se destacar no Montpellier, da França, o centroavante foi importante em muitos momentos nos Gunners, conquistando três vezes a Copa da Inglaterra e a Supercopa da Inglaterra entre 2012 e 2018.

Precisando de uma referência, os Blues foram atrás do francês e o contrataram por empréstimo de um ano e meio. Mesmo sem convencer, fez alguns gols e acertou definitivamente com o time de Stamford Bridge, onde está até hoje.

Petr Cech

Um dos últimos movimentos de Claudio Ranieri como técnico do Chelsea, em 2003/04, foi tentar a contratação de Petr Cech, no Rennes, da França. Ele conseguiu, mas nunca treinou o atleta, pois foi substituído por José Mourinho para a temporada seguinte. Contratado para compor elenco, o tcheco virou titular depois que Cudicini se machucou na pré-temporada.

E de lá ele nunca mais saiu. Foram 11 anos defendendo a meta dos Blues, onde conquistou tudo o que podia: Liga dos Campeões, Liga Europa, Campeonato Inglês (4x), Copa da Inglaterra (4x), Copa da Liga Inglesa (3x) e Supercopa da Inglaterra (2x), além de inúmeros prêmios individuais, como o de melhor goleiro do mundo em 2005.

Já sem espaço no Chelsea, em 2015, transferiu-se para o Arsenal, onde ficou quatro anos como titular e foi duas vezes campeão (Copa da Inglaterra e Supercopa da Inglaterra). No início desta temporada, se aposentou do futebol, mas se transformou em goleiro de hóquei.

Carrinho
SimplesCombinada

Como apostar no Betsul?

Apostar no Betsul é muito simples. E o primeiro passo é criar uma conta. Por questões legais, você precisa ter mais de 18 anos para apostar no Betsul. Depois, é só realizar seu login no site, fazer seu primeiro depósito e escolher a sua modalidade de preferência para apostar!

R$00.000,00

O que é Jogo do Bem?

O Jogo do Bem é uma iniciativa pioneira do Betsul. Com ele, suas apostas esportivas também contribuem para uma sociedade melhor. A cada aposta realizada, parte do valor é destinado a uma causa ou uma instituição social. E tudo isso sem custos adicionais ao jogador.