Mundial de Clubes: time da casa e campeão da Oceania se enfrentam na abertura do torneio

Fase de playoffs do torneio coloca frente a frente clube da lenda Xavi e equipe amadora

Mundial Clubes FIFA
Doha será o palco do Mundial de Clubes da FIFA em 2019 (iStock)

Muito antes de Flamengo e Liverpool estrearem no Mundial de Clubes da FIFA, a bola já rola no Catar, sede da competição em 2019, para o jogo de abertura do torneio. Nesta quarta-feira (11), às 14h30 (de Brasília), duas equipes com muito menos prestígio disputam o playoff e chamam a atenção por serem times bem desconhecidos do grande público.

O primeiro deles é o Al-Sadd, atual campeão do campeonato nacional do Catar, e que por isso recebeu o convite para representar o país anfitrião no torneio. Ele é comandado pela lenda Xavi, que defendeu o clube por algumas temporadas depois de sair do Barcelona. A base da equipe é composta pela seleção do país e conta com alguns estrangeiros, o mais famoso deles (e que também vem da Espanha) é Gabi, ex-capitão do Atlético de Madrid.

Com o apoio do torcedor local eles encaram o Hienghène Sport, equipe amadora da Nova Caledônia, região francesa localizada na Oceania. Apesar de não ser um time profissional, o clube sagrou-se campeão da Liga dos Campeões da Oceania e poderá representar o continente em Doha, local onde acontecem os jogos do Mundial de Clubes da FIFA. 

Quem é favorito a vencer?

Não dá para comparar as estruturas do Al-Sadd e do Hienghène Sport. Apesar de não ser um pólo importante do futebol, o Catar possui muito dinheiro que permite aos clubes do país contratarem bons técnicos e jogadores, como é o caso do time de Xavi. Aliás, um dos destaques da equipe é a forma de jogar, que o ex-volante aprendeu nos tempos de Guardiola e que hoje aplica no time que treina. 

Tanto que um dos objetivos do agora técnico é fazer com que o seu time consiga jogar com a posse de bola no Mundial de Clubes. E isso passa muito por Gabi, ídolo do Atlético de Madrid e duas vezes vice-campeão da Liga dos Campeões da Europa sob o comando de Diego Simeone. 

Apesar de não ser um centro de excelência, o Al-Sadd nem pode ser comparado ao Hienghène Sport. Na Nova Caledônia, todas as equipes de futebol do arquipélago são amadoras, ou seja, os jogadores não vivem apenas do esporte, mas precisam de outro trabalho para completar renda. Além disso, os centros de treinamento são muito simples e não há equipes muito grande nos bastidores para acompanhar os atletas.

Por que apostar no Hienghène Sport?

O Hienghène Sport está longe de ser favorito, é verdade. Mas o time da Nova Caledônia já chega ao Mundial de Clubes da FIFA com o sentimento de dever cumprido. E não é para menos. O título da OFC Champions League é histórico, não só para o clube, mas para o país como um todo.

Desde que a competição começou a ser disputada, somente uma vez o título não tinha ido para um clube da Nova Zelândia (são 16 títulos conquistados). Na temporada 2009/10, o Hekari United, de Papua-Nova Guiné, sagrou-se campeão, sendo o único time não neozelandês a conquistar uma taça. Isso só até esta temporada.

Depois de uma boa campanha na fase de grupos e de passar por Ba, das Ilhas Fiji, nas quartas de final, o Hienghène Sport encarou o seu principal desafio: o Team Wellington, da Nova Zelândia, que chegou à semifinal credenciado como atual campeão do torneio. Apesar de ter sofrido bastante na primeira etapa, os neocaledônios fizeram 2 a 0 no segundo tempo e chegaram à decisão.

Nela, encontraram o Magenta, time também da Nova Caledônia e que despachou o poderoso Auckland City na outra semifinal (eles haviam sido campeões de sete das últimas oito edições da Liga dos Campeões da Oceania). O jogo foi muito equilibrado e só se definiu em um gol digno de Prêmio Puskas. Depois de recuperar uma bola no campo de defesa, Roine bateu de trás do meio de campo e marcou um golaço.

Por isso, empolgação não falta para o Hienghène que vai ao Catar para disputar todas as bolas com muita entrega e intensidade, nas palavras do próprio Pedro Vilela, brasileiro que chegou à equipe no meio do ano para reforçar o elenco para o Mundial de Clubes da FIFA.

Por que apostar no Al-Sadd?

Atual campeão da Qatar Star League, nome da elite do campeonato nacional do Catar, o Al-Sadd é o quarto colocado da temporada atual, com cinco vitórias e três derrotas -- mas com dois jogos a menos que a maioria dos outros times. Sendo assim, Xavi e companhia chegam com moral para o torneio e ainda contam com o apoio de sua torcida para empurrar a equipe neste primeiro desafio.

Além disso, o Al-Sadd foi longe na Liga dos Campeões da Ásia, parando somente na semifinal depois de perder para o Al Hilal em duas partidas emocionantes -- os sauditas se sagraram campeões do torneio semanas depois.

Aposte com o Betsul

As odds mostram o quão favorito o Al-Sadd é no duelo. Uma vitória do time do Catar na estreia do Mundial de Clubes da FIFA paga 1.04, enquanto uma zebra por parte do Hienghène multiplica o dinheiro do apostador em 27.31 vezes. O empate no tempo normal está estimado em 9.86. Então, faça o seu cadastro no Betsul, ganhe até R$ 120,00 de bônus no primeiro depósito e dê o seu palpite no primeiro jogo da competição.

Carrinho
SimplesCombinada

Como apostar no Betsul?

Apostar no Betsul é muito simples. E o primeiro passo é criar uma conta. Por questões legais, você precisa ter mais de 18 anos para apostar no Betsul. Depois, é só realizar seu login no site, fazer seu primeiro depósito e escolher a sua modalidade de preferência para apostar!

R$00.000,00

O que é Jogo do Bem?

O Jogo do Bem é uma iniciativa pioneira do Betsul. Com ele, suas apostas esportivas também contribuem para uma sociedade melhor. A cada aposta realizada, parte do valor é destinado a uma causa ou uma instituição social. E tudo isso sem custos adicionais ao jogador.